domingo, 4 de outubro de 2009

Drink de Corpos


_____________________________________________28/08/08
Um tanto quanto tonto
Dislacerado a um canto
Caído a um torto pranto
De tão pesado desencanto,
Que me deleita - fulminantemente - tonto,
Que nem pra debruçar o pranto.

Ao relento desse canto
Entregue ao vazio de dois corpos
À dois copos
Triste vazio
a aportar
e dois corpos... a dois copos
Ao frio vazio
       Nebuloso vazio
           tenebroso e...
      armagurado vazio
          frio...
À ânsia de esvaziar dois corpos semi-vazios.

Não posso deixar-te
Entregar o seu corpo
Ao vazio de dois copos
Antes de ter o elixir do teu corpo
Ao toque neural de meu falo
Ao teu copo

Às margens de um félico vazio
Escuro e frio
Só queria ter-te a sua dose em um copo...
ao vazio
Só queria te sentir a um corpo...
ao vazio
E um tanto...
tor\tu(!)
A um canto profano
Aos murejos, -(insano...).

Degusto
O funesto vazio do teu copo
Ao encontro oco
De nossos inoculados e frios corpos.

Deleito,
com prazer vão
o vazio do meu copo,
E pleteio
Ao vazio do teu corpo.

(inóptico a ti)
Tudo isso não há!
Só existe pra confundir.
Deixe-mes sair
e deixo-me te ter
(vazia)
Pra me...
 
                                                          .::Flávius:.

2 comentários:

  1. adorei o poema, vou colocar seu blog nos meus links ok, beijo. Paula
    http://hifolks.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir